quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Anjo.




"Não, não pergunte nada. Pense apenas que, se um anjo bateu exatamente à sua porta nesta época do ano, e se tão exato entrou e sentou à sua frente, ninguém melhor do que ele saberá, com exatidão, o que fazer.
Então espere."

"Fui vivendo minha vida de maneira tão solitária, conquistando minhas coisas tão no braço, tão sempre sem nada, que aprendi a ter uma enorme admiração por mim mesmo."



Caio F. Abreu in “Cartas”

Floripa.


Em alguns momentos eu tenho a impressão de que a ilha, Florianópolis, vai afundar, naufragar, desaparecer! Tal o peso, a quantidade de gente.

Desafiando as leis da física, vários corpos e carros ocupando o mesmo lugar.

Certo que vai submergir!!


*


*


8


Enquanto não afunda, usando minha técnica de ignorar o caos, vou dar um mergulho e ler um livro.


Eu nunca poderia lhe dar menos que amor.


“Quando se despediram, Beauvoir disse o quanto achara bom o fato de terem conseguido conservar a amizade. “Não é amizade”, retrucou. “Eu nunca poderia lhe dar menos que amor”. Beauvoir chorou de soluçar durante toda a viagem para Nova York, onde escreveu-lhe do hotel: “Sinto-me totalmente em suas mãos, absolutamente sem defesa, e, por uma vez, implorei: guarde-me no coração ou me expulse, mas não deixe que eu me agarre ao amor e de repente descubra que ele acabou”

Tête-à-Tête

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Por que se falto, sou necessária e , portanto, não há silêncio.


Esperar pode significar deixar passar aquele que jamais faria o silêncio - silêncio que faz elucubrar sobre as coisas que 'ele' estivesse (ou não) pensando. Esperar pode ser entregar os dias ao destino de uma bola de cristal imaginária, adivinhando, adivinhando, adivinhando. Embora os outros movimentos perante a vida que complementem a existência, esperar alguém pode significar deixar estático o coração, paralisado em um tempo (sentir) passado que não se sabe em que resultaria no tempo presente - pelas marcas, pelas novas compreensões. Aposto no adeus à inércia - embora certa e segura, a carga das inúmeras dúvidas que traz em si sugerem (a mim) não valer a pena - por que se falto, sou necessária e, portanto, não há silêncio.Particulares escolhas. Cada qual com as suas.


Janice




Janice esperar alguém pode ser a grande desculpa para não viver um amor. Esperar pode ser defesa. Penso como você, se há silêncio é por que não sou necessária, por que a falta é pouca. E jamais esperaria alguém para quem sou pouca coisa.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Luis Alberto Warat


Separei e coloquei no blog um link com os textos que publicamente trocamos , eu, ele e Albano, na nossa breve a afetuosa convivência.



Poucos dias antes de sua partida falamos por e-mail, ele estava cansado e com dificuldades de escrever. Desculpava-se por não poder responder frequentemente, como gostava. "Querida Andrea: Me cuesta escribir (...) muchas saudades y beijos pra vc!

"Não se preocupes em responder, mandarei notícias, você me lê, mantemos contato assim. Não é preciso respostas para que possamos estabelecer um diálogo. Algumas trocas acontecem no silêncio. Sempre conversamos muito em silêncio, não é mesmo?".




Como combinamos: eu escrevo e você me lê, de onde estiver.

Agora sem dor.


Falta.


Ele pode estar olhando as suas fotos . Neste exato momento . Porque não ?

Passou-se muito tempo . Detalhes se perderam . E daí ?

Pode ser que ele faça todas as coisas que você faz . Escondida . Sem deixar rastro nem pistas . Talvez ele passe a mão na barba mal feita e sinta saudade do quanto você gostava disso.

Ou percorra trajetos que eram seus, na tentativa de não deixar que você se disperse das lembranças . As boas .

Por escolha ou fatalidade, pouco importa, ele pode pensar em você .

Todos os dias . E ainda assim preferir o silêncio .

Ele pode reler seus bilhetes, procurar o seu cheiro em outros cheiros .

Ele pode ouvir as suas músicas, procurar a sua voz em outras vozes .

Quem nos faz falta acerta o coração como um vento súbito que entra pela janela aberta .

Não há escape .

Talvez ele perceba que você faz falta . E diferença .

De alguma forma, numa noite fria . Você não sabe .

Ele pode ser o cara com quem passará aquele tão sonhado verão em Paris .

Talvez ele volte .

Ou não.

Sombra.



“A mulher apaixonada tenta ver com os olhos dele; lê os livros que ele lê, dá preferência à música que ele prefere, só se interessa pelas paisagens que vê com ele, nas idéias que vêm dele, adota as amizades, as inimizades, as opiniões dele, quando se questiona, é a resposta dele que tenta ouvir (…) A suprema felicidade da mulher apaixonada é ser reconhecida pelo homem amado como parte dele, quando ele diz “nós”, ela está associada e identificada com ele, compartilha do seu prestígio e reina com ele sobre o resto do mundo: nunca se cansa de repetir – até o exagero – esse deleitável “nós” “




Tête-à-Tête de Hazel Rowley

Alto preço.


“Falo do amor de forma mística, sei o preço. (…) Sou muito inteligente, muito exigente e muito engenhosa para alguém ser capaz de se encarregar completamente de mim. Ninguém me conhece nem me ama completamente.
Só tenho a mim”

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Presentes.

*

Gosto de ganhar presente.
Triste eu fico quando as pessoas querem me dar

passado
ou
futuro.

Tão inúteis os dois.
Nada posso fazer com eles




*
*
*
Que todos nós consigamos sobreviver a mais um Natal.
Que todos nós possamos trocar mais presente com quem amamos, que tenhamos a sabedoria de deixar o passado para trás, na impossibilidade de retorno e futuro quieto, adormecido no mundo das coisas que não existem.
*
*
*
Bom Natal.



quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

À toa.





"Eu mesma não entendo minha enormíssima paciência de ficar à toa, só pensando, pensando e sentindo."

Jane Austen



"Não posso mais ouvir em silêncio. Preciso falar com você pelos os meios de que disponho neste momento. Você fendeu minha alma. Sou metade agonia, metade esperança. Não me diga que é tarde demais, que sentimentos tão preciosos foram-se para sempre. Ofereço-me para você de novo com um coração muito mais seu do que quando você quase o despedaçou há oito anos e meio atrás.

Não se atreva a dizer que o homem esquece mais rápido do que a mulher, que seu amor morre mais cedo. Eu tenho amado somente você, mais ninguém. Injusto posso ter sido, fraco e ressentido também, mas nunca inconstante. Você, apenas você trouxe-me para Bath. Faço planos pensando somente em você.

Você não ainda percebeu? Terá você falhado em entender meus desejos? Eu não teria esperado nem estes dez dias se tivesse podido ler seus sentimentos como eu penso que você penetrou nos meus. Quase não posso escrever. A todo instante ouço alguma coisa que me atordoa. Você abaixa sua voz, mas eu posso distinguir seus tons mesmo quando perdidos em meio aos outros. Boníssima e excelente criatura! Você nos faz justiça, deveras. Você crê que há afeto verdadeiro e constância entre os homens."

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

sábado, 18 de dezembro de 2010


''Nós vamos morrer, e isso nos torna afortunados. A maioria das pessoas nunca vai morrer, porque nunca vai nascer. As pessoas potenciais que poderiam estar no meu lugar, mas que jamais verão a luz do dia, são mais numerosas que os grãos de areia de uma praia. Certamente esses fantasmas não nascidos incluem poetas maiores que Keats, cientistas maiores que Newton. Sabemos disso porque o conjunto das pessoas possíveis permitidas pelo nosso DNA excede em muito o conjunto de pessoas reais. Apesar dessas probabilidades assombrosas, somos eu e você, com toda a nossa banalidade, que aqui estamos. Nós, uns poucos privilegiados que ganharam na loteria do nascimento, contrariando todas as probabilidades, como nos atrevemos a choramingar por causa do retorno inevitável àquele estado anterior, do qual a enorme maioria jamais nem saiu?''


Desvendando o arco-íris.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Luis.



Hoje nenhuma palavra é possível.

Queria teu abraço amoroso outra vez.

Você me deu o privilégio do teu carinho, do teu doce olhar.

Amo você e sinto sua falta.

Obrigada.


quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Luis Alberto Warat


Lamentamos informar que Luis Alberto Warat no está más con nosotros.
16/12/2010
Casa velatoria: Malabia 1662 -
Palermo Ciudad de Buenos Aires
A partir de las 19 hs. de hoy jueves 16/12.
Familia Warat



quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Luto e melancolia


Capacidade de luto,


pressupõe capacidade de envolvimento.

Andréa Beheregaray








.Um cadinho de psicanálise por aqui.

Minha querida.


Minha querida,


Sua partida me provoca uma emoção que não sei explicar. Entendo sua escolha, despedidas sempre são dolorosas. De alguma forma sempre são definitivas. Nunca sabemos se teremos oportunidade de estar novamente ao lado daqueles que nos tocam.

Sinto sua tristeza, que também é minha. Todos os dias que imaginei você partindo, fui invadida por ela. Como naquele dia no hotel, lembra? Em que espontâneamente você se emocionou com a tristeza da outra. É engraçado como invadimos o campo magnético de algumas pessoas e podemos senti-las. Identificação, eu sei, você sabe. Algo compartilhado por duas pessoas que se refletem. Que se querem bem.

Nosso encontro me mostra que, como eu já imaginava, minha vida tem acontecido cada vez mais para dentro. Vivo dentro, observando de um lugar muito distante tudo que na vida rola. E apesar do aparente burburinho, da suposta extroversão, minha vida acontece no silêncio do que sou.

Tem tão pouca gente aqui ao meu lado. Minha sensibilidade e tantos cacos pelo chão, minha alegria e meu viver. Deixei de contar a vida pelo que circula fora. Meu tempo é outro. Não conto meus encontros pelos dias vividos, pelas horas passadas. Eu já nem sei que horas são! Você me mostrou isso, tão logo nos encontramos, você já foi parar lá dentro. É tão antigo. Você já estava lá, mesmo antes de chegar.

Eu poderia lamentar o pouco tempo e sua partida, mas prefiro pensar que tivemos sorte, que a partida poderia ter chegado antes do encontro.


Penso em você, que meu afeto te faça companhia na distância.

Sinto sua falta.

Tanto faz.


Na maioria das vezes, gosto de estranhos. A partir do momento que você conhece alguém de verdade, se decepciona tanto, que é mais confortante ficar no anonimato. Não me importo se você for indiferente comigo (já me acostumei muito com isso), só não omitam nada.

Verdades são ásperas, mas estão aí para serem aceitas, e jamais questionadas. Já passei por muitas experiências por aqui, e ao contrário do que pensam, aprendi muito com isso.

Então, se for me adicionar na expectativa de destruir corações, sinto informar que aqui já não existem mais sentimentos. Tudo é muito indiferente.

Na verdade, tanto faz


Boa Sorte

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Meu cupido danado!


Meu cupidinho malandro
Já nem sabe onde ando.
Não quer mais trabalhar
Arrumou uma paixão
e agora quer namorar.
*
Meu cupidinho apaixonado
esqueceu, o danado
que deveria estar preocupado
em me arranjar um namorado!
*
Levou todas as suas flechas
Bateu asas e voou
foi atrás da meninha
e me deixou aqui sozinha!

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

O caminho do fácil?


O fato é que tínhamos medo, ou quem sabe alguma espécie de respeito grande, de quem se vê menor frente a outros seres mais fortes e inexplicáveis.

Medo por carência de outra palavra para melhor definir o sentimento escorregadio na gente, de leve escapando para um canto da consciência de onde, ressabiado, espreitaria.

E enveredávamos então pelo caminho do fácil, tentando suavizar o que não era suave."

Luz...


domingo, 12 de dezembro de 2010

Leituras itinerantes Caio F.












A palavra que define o encontro, realizado ontem no Ocidente, é : emoção. Todos os que lá estiveram, puderam sentir.

Tivemos a oportunidade de receber pessoas emocionadas e emocionantes, para juntos darmos início oficial aos trabalhos da Associação de Amigos do Caio Fernando Abreu - AACF.

E a tarde provou que o que não falta ao Caio são bons amigos, que estavam lá em nome da amizade e admiração que os uniu ao autor.
E nós, que não tivemos a oportunidade de conhecê-lo, fomos presenteados por leituras inéditas, como as cartas pessoais trocadas entre Caio e a escritora Martha Medeiros e interpretações tocantes de grandes textos.

Fascinante também foi ouvir algumas histórias, como o nascimento da personagem "A Dama da Noite" inspirada em uma prostituta do Bom Fim, que Caio F e o amigo Marcos Breda observavam de mesa uma bar; da escolha dos títulos dos livros, como "Onde andará Dulce Veiga", que iria se chamar "Nada Além", à composição da canção "Poltrona Verde" de Laura Finocchiaro e Caio Fernando Abreu.

Encontros, saudades, admiração, memórias, sensibilidade e emoção foram os ingredientes deste encontro de leituras.

Nosso agradecimento especial aos amigos que gentilmente aceitaram participar deste encontro.

Martha Medeiros
Kátia Suman
Ivan Matos
Amanda Costa com
Deborah Finocchiaro
Carlos Nazário
Marcos Breda

Os encontros "Leituras itinerantes Caio F", serão realizados em outras cidades, começando por São Paulo e Rio de Janeiro e Brasília.

Você lê e sofre. Você lê e ri. Você lê e engasga. Você lê e tem arrepios. Você lê, e a sua vida vai-se misturando no que está sendo lido.

Caio Fernando Abreu


E ontem? Ficamos todos misturados!


sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Hoje no Camarote TVCOM


Hoje vamos participar do programa Camarote TVCOM - canal 36, para falar da fundação da Associação dos Amigos do Caio F .
Até daqui a pouco!

Presenças confirmadas!!


Na manhã do dia 09 de dezembro, a Associação de Amigos Caio Fernando Abreu (AACF) deu entrada na junta de registros de pessoas jurídicas de Porto Alegre. No próximo sábado, às 17h, no bar Ocidente, os amigos do Caio Fernando Abreu irão se encontrar para a leitura de textos do Caio em prol da Associação. Na ocasião, os presentes e convidados poderão assinar o pedido de tombamento da casa como patrimônio cultural da cidade.


A AACF está reunindo profissionais locais e nacionais para transformar a casa onde Caio Fernando Abreu morou, no bairro Menino Deus, no Centro de Cultura de Porto Alegre.



Estarão presentes no evento:

Marcus Breda (ator)
Kátia Suman (jornalista)

Ivan Matos (ator)

Amanda Costa (astróloga/doutora em CaioF)

Martha Medeiros (escritora)

Claúdia Tajes (escritora)

Ana Kruger (cantora)

Deborah Finocchiaro (atriz)



TODA MULHER DESEJANTE SERÁ CASTIGADA - Contardo Calligaris.


Prévia dos diálogos com Maura e Mônica (lindas mulheres, diga-se).



Das muitas coisas que conversamos, eu e a Mônica, nas nossas viagens para Caxias, falamos da mulher desejante. Da mulher que , assim como os homens, assumi seu desejo e rompe com o local imposto socialmente, o de objeto de desejo, apenas. E para esse tipo de mulher não há perdão. E, para meu espanto, as primeiras pessoas a atirarem as pedras são outras mulheres! Mulheres são cruéis com mulheres. Não perdoam, tratam logo, com suas artimanhas (leia-se intrigas, fofocas e ridicularização) de punir a infiel que lhes esfrega na cara seu desejo.

Segue um trecho interessante do texto do Contardo Calligaris. O que não está no texto é que o maior problema do feminismo são as próprias mulheres que se levantam enfurecidas contra a mulher desejante . Sim Maura, agora começo a entender.

A turba da Uniban.

(...)é o ódio do feminino – não das mulheres como gênero, mas do feminino, ou seja, da idéia de que as mulheres tenham ou possam ter um desejo próprio.


Agora devo umas desculpas a todas as mulheres que militaram ou militam no feminismo. Ainda, recentemente, pensei ( e disse numa entrevista) que ao meu ver, o feminismo tinha chegado ao fim de sua tarefa histórica. Em particular pensava que depois de 40 anos de luta feminista, ao menos um objetivo tivesse sido atingido: o reconhecimento pelos homens de que as mulheres (também) desejam. Pois é, os fatos provam que eu estava errado.


Na íntegra.




quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

CONVITE - CAIO F. DIVULGUEM!!!


PESSOAL É IMPORTANTE, DIVULGUEM!!

Homos(sexualidade)


Só que homossexualidade não existe, nunca existiu. Existe sexualidade - voltada para um objeto qualquer de desejo. Que pode ou não ter genitália igual, e isso é detalhe. Mas não determina maior ou menor grau de moral ou integridade.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

CAIO FERNANDO ABREU -EVENTO NO OCIDENTE!


Pessoal dia 11 no Ocidente vai rolar um evento que marca a fundação da Associação Amigos do Caio F, com a participação do Marcos Breda.

No evento, das 17h às 21h, ocorrerão leituras de textos do Caio.

Contamos com a presença de todos.
Breve mais informações!!


terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Mulher não tem critério!! Rsrsrsrs.


"Mulher não tem critério; pode amar a vida inteira um vagabundo que não merece ou deixar de amar instantaneamente um sujeito devoto."

Quando te vejo.


Não consigo pensar em outra palavra

Amo

quando te escuto

quando te vejo

enquanto danças

e sorri.


Amo

Tua imagem invade meus dias

tua voz

preenche espaços vazios


Não consigo pensar em nada

além

do quanto te amo.


Amo.Amo.Amo.

Amo.Amo.Amo.

Amo.Amo.Amo.

Amo.Amo.Amo.
Você.

AMOR


Sucesso.


Só os idiotas acreditam que o sucesso traz felicidade.
%
%
%
Não traz, e pode ainda acabar com o pouco de felicidade que você possui.

Andréa Beheregaray

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Luxo.



Já que ela não era uma pessoa triste, procurou continuar como se nada tivesse perdido. (Ela não sentiu desespero, etc. etc.) Também que é que ela podia fazer? Pois ela era crônica. E mesmo tristeza também era coisa de rico, era para quem podia, para quem não tinha o que fazer. Tristeza era luxo.


“A hora da estrela”

domingo, 5 de dezembro de 2010

Você é muito Bukowskiniano




Se você pensasse em voz alta, você lembraria muito Bukowski.
E as mulheres então perceberiam.
Mas a maioria delas prefere parar na primeira cena
sempre tão vulneráveis as aparências
-
E quando algum pensamento mais alto
vem à tona
e ressentidas elas se vão, você apenas aguarda
sabendo que logo elas retornam
como as velhas putas de Bukowski
reclamando a conduta, ressentidas
te chamando de safado e pedindo pra voltar

Você não diz nada, não lhe interessa dizer
gastou tua boa conduta e teu charme
com novas putas ou com aquele pequeno grupo que você admira
admira e come
mas, se estas também se forem
você também não vai lamentar

Que fique quem quiser ficar
que bata a porta quem quiser bater
mas que não lhe compliquem
nem encham o saco
e que lhe deem algum prazer
roubando o tédio.

Gosto muito do tom baixo dos teus pensamentos
assim mantenho baixo os meus
deixo as cenas bukowskinianas para as outras
tuas putas tolas
iludidas
elas aliviam meu lado

eu faço xixi de porta aberta
enquanto conversamos
e você sorri e me cuida, às vezes
e quando se entedia comigo
não deixa escapar teus pensamentos bukowskianos
e eu escapo de ter que lhe responder desaforos
assim ninguém arranha o céu das coisas

e assim a gente pode seguir devorando
um ao outro
por que apesar de não precisar, gostamos
matando a fome,
como Bukowski com suas putas,
não comeria Bukowski
mas gosto de comer você B.

DOIS


"Me ensina a solidão de ser só DOIS"

Cuidados.


Cuide tudo que for verdadeiro


Deixe tudo que não for passar

sábado, 4 de dezembro de 2010

A olho nú.


Eu ainda me espanto pela forma como me antecipas
Sabe hoje, meu amanhã, e eu sei teu ontem
Reflete em mim aquilo que ainda não sei
E eu vejo em ti o que tentas esconder
_
Já faz tanto tempo
Tanto mar, tanta estrada corrida
e você ainda está aqui
dentro de mim
_
Meu déjà vu
Você que sabe que
de tanto doer tudo se perdeu
Nós que cortamos a carne
_para sentir, ainda
_
Nós que nos sabemos sórdidos,
e enganamos a morte.
Assombrados pela solidão.
Nós que não temos como voltar a acreditar
_
Déjà vu
Não ter foi a forma mais bonita de ir além

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010


Coisas do desejo.

O corpo é prisioneiro das nossas cabeças atormentadas, por isso precisamos perdê-la, vez ou outra, para manter a sanidade.
Nunca ouvi alguém dizer "perdi o corpo" .
Cabeça e corpo permanecem em conflito e quanto mais reprimido for seu corpo mas chances você tem de perder a cabeça.
A psicanálise nasceu ai.
Coisas do desejo.


Algumas pessoas nunca perdem a cabeça.

Que vida péssima elas devem levar!

Silêncio.



Ninguém é capaz de compreender um dragão. Eles jamais revelam o que sentem. (…) já que o dia e a noite deles acontecem para dentro.





Caio F. Abreu in “Os Dragões não Conhecem o paraíso”.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Vivant la merde!




É nos bastidores que a festa da vida realmente acontece!




Ou seria, "merde" da vida?




Não importa, o que importa é que




o resto é cena.

Andréa Beheregaray

Muito.


Para falar a verdade, nunca estive tão bem.

Por quê?

Não quero saber por quê.